Artigo internacional sobre pegadas de dinossáurios na Praia da Parede

Investigadora do MUHNAC, Vanda Santos, em conjunto com outros investigadores das universidades de Coimbra, Évora, Saragoça, Alcalá de Henares (Madrid) e Complutense de Madrid, publica artigo internacional sobre o trabalho de investigação desenvolvido na Praia da Parede, em Cascais.

Praia da Parede, Cascais

A Investigadora do MUHNAC, Vanda Santos, publicou, em conjunto com investigadores das universidades de Coimbra, Évora, Saragoça, Alcalá de Henares (Madrid) e Complutense de Madrid, um artigo internacional sobre o trabalho de investigação desenvolvido na Praia da Parede, em Cascais, onde foram encontradas pegadas de dinossáurios, em 2011.

Na Praia da Parede observam-se extensas arribas rochosas e uma plataforma de abrasão marinha formada em calcários marinhos do Período Cretácico. Numa pequena área exposta junto ao paredão, sensivelmente a meio da praia, podemos observar uma série de grandes impressões dispostas regularmente segundo uma direção perpendicular à linha de costa e visíveis, sobretudo, durante a baixa-mar. Trata-se de uma pista constituída por impressões de pés e mãos de um dinossáurio saurópode. Nesta pista sobrepõem-se pegadas de um outro saurópode. Devido sobretudo à natureza do sedimento, nestas impressões não ficaram registadas marcas de dedos ou de outras características anatómicas menores do animal que as produziu. A superfície da rocha é irregular devido à existência de pegadas de outros dinossáurios e também devido à constante erosão.

O estudo das pegadas e da rocha onde estão preservadas revelam a passagem de dinossáurios há cerca de 100 milhões de anos (Cretácico Inferior). Nesta altura o proto-oceano Atlântico já estava em formação, a Península Ibérica encontrava-se mais a sul e o seu clima era tropical. Os estudos agora apresentados sugerem que dinossáurios saurópodes semelhantes a Diplodocus deixaram as suas pegadas no litoral de um mar de pequena profundidade e de águas mais quentes.

O trabalho foi desenvolvido no âmbito de colaborações do MUHNAC com especialistas das universidades de Coimbra, Évora, Saragoça, Alcalá de Henares (Madrid) e Complutense de Madrid.

O artigo intitulado "Dinosaur tracks from the Early Cretaceous (Albian) of Parede (Cascais, Portugal): new contributions for the sauropod palaeobiology of the Iberian Peninsula” de V.F. Santos, P.M. Callapez, D. Castanera, F. Barroso-Barcenilla, N.P.C. Rodrigues & C. Cupeto, foi recentemente publicado na revista Journal of Iberian Geology, no volume 41 (1), de 2015.

 

Legenda da imagem

A: Aspeto geral da área com pegadas de dinossáurio na Praia da Parede (Cascais).

B: Esta jazida revela a passagem de pelo menos dois saurópodes semelhantes a Diplodocus há cerca de 100 milhões de anos (Cretácico Inferior) tendo em conta as pistas PT1 e PT2 . * assinala uma marca de mão na pista PT2.

C: Aspeto de algumas das pegadas na pista PT1.