Programa Arte, Natureza e Ciência

PROGRAMA ARTE, NATUREZA E CIÊNCIA 
 

GABINETES DE PAISAGEM

Exposição de Rita Carreiro

A exploração da relação do Natural com o Artificial tem sido uma constante no meu percurso. Partindo, não da observação do real, mas sim de desenhos, fotografias, postais ou pinturas, desenvolvo um processo de recriação de novas paisagens. O processo passa por um trabalho de apropriação da paisagem sob a forma de objetos. Estes objetos surgem associados a variadas formas e suportes como caixas com pintura e desenhos planificados e dobrados que interpretam a paisagem e o espaço como se de mapas se tratassem, ou formas recortadas que assentes no chão em forma lapidar utilizam espelhos para através de reflexos multiplicarem a representação da paisagem e assim propondo novos espaço ao visitante.


Data: 8 a 31 de outubro 
Local: Museu - Laboratório de Química Analítica
Preço: incluído no bilhete do Museu

Mais informações sobre a exposição aqui

 

DIFERENTES REPRESENTAÇÕES DE PLANOS E FACETAS

Exposição de Fátima Frade Reis

O trabalho de Fátima Frade Reis procura linhas de contacto entre diferentes materiais. Trabalha a tridimensionalidade na superfície plana do papel, obtendo formas que se assemelham a facetas minerais. Estes mesmos trabalhos, organizados em cilindros, sugerem tarolos de minerais. As diferentes cores reforçam esta mesma noção de variedade de amostragem, que replica a função do museu, como as vitrines que ladeiam o corredor que dá acesso à sala de exposições.


Data: 8 a 31 de outubro
Local: Museu - Sala Azul

Preço: incluído no bilhete do Museu
Inscrição prévia: não

Mais informações sobre a exposição aqui.

 

TUDO É SEMENTE

Exposição de Rubens Matuck

A exposição é uma viagem ao âmago de nós mesmos, naquele ponto em que nos fundimos magicamente com o mundo que nos cerca, uma viagem ao mais profundo da nossa alma.

Data: 4 a 28 de novembro
Local: Museu - Laboratório de Química Analítica

Preço: incuído no bilhete do Museu 
Inscrição prévia: não

Mais informações sobre a exposição aqui

 

SEEDS 

Exposição de Isabel Mello

Exposição de pintura com trabalhos relacionados com a natureza. Caminhar, observar e desenhar é a rotina desta artista plástica.

Data: 4 a 28 de novembro
Local: Museu - Sala Azul 


Preço: incluído no bilhete do Museu
Inscrição prévia: não

Mais informações sobre a exposição aqui

 

SENTIR A TERRA II

Exposição de Graça Pereira Coutinho

As ideias são como as nuvens, passam. E as sombras desenham, contornando as formas. As sombras não são tristes ou alegres, desaparecem com um olhar rápido, como um poema ao vento. Quero conhecer os jardineiros do Jardim Botânico para eles se habituarem à minha presença entre as árvores e arbustos, de joelhos no chão. O projeto consiste em criar um herbário gigante em que os visitantes possam fisicamente entrar.
Na sequência da visita que tive o grande prazer de fazer ao herbário do meu tio-bisavô, António Xavier Pereira Coutinho, que se encontra guardado neste Museu, comecei a trabalhar na ideia de criar o meu próprio herbário.
A “sala-laboratório” é pequena e penso cobri-la de plantas em sacos de tule pendurados do teto e das paredes e encher as mesas e armários com coleções de plantas que fui fazendo ao longo de vários anos.Haverá trabalhos sobre papel, desenhos e pequenas esculturas, para os visitantes poderem sentir, ver e cheirar, a experiência de entrar no mundo do meu herbário.

Data: 2 de dezembro de 2021 a 2 de janeiro de 2022
Local: Museu - Laboratório de Química Analítica

Preço: incluído no bilhete do Museu
Inscrição prévia: não

Mais informações aqui

 

TANTO A TUA FIGURA

Exposição de Ricardo Marcelino

O artista propõe uma abordagem na qual a pintura constrói materialmente a superfície onde se vai inscrever, abrindo possibilidades ao acontecimento e a uma naturalidade da aparição do pintado. É através de um conjunto de obras de formatos variados que pretende dar a ver a construção da composição pictórica de paisagens: o processo de idealização do mundo natural aos olhos do pintor, daquele que faz, que produz com as mãos. Com “processo de idealização”, o artista refere aquele em que a intuição é mais verosímil do que qualquer raciocínio, é o processo que busca a unidade, a unificação daquilo que racionalmente chamamos de opostos: inconciliáveis na lógica, mas harmonizáveis na aparência. São processos como este, que lhe interessaram — uma maneira ideal de contrariar a fragmentação presente na natureza. Uma maneira de negar a separação, de silenciar o “Eu”, voltando-nos para as relações aparentes e inerentes dos elementos. Ricardo Marcelino evoca um processo central da pintura (a intuição), como fator cultural dentro da natureza, e como fator natural dentro da cultura.

Data: 2 de dezembro de 2021 a 2 de janeiro de 2022 
Local: Museu - Sala Azul 

Preço: incluído no bilhete do Museu 
Inscrição prévia: não 

Mais informações aqui